a Imprensa internacional noticia reforma ministerial de Bolsonaro

Publicado em 30/03/2021 às 12h04 | 309 visualizações | |

Imprensa internacional noticia reforma ministerial de Bolsonaro

Notícias destacam as mudanças em 6 ministérios 'em plena pandemia', a pressão política por algumas trocas — como o caso do Itamaraty — e as concessões feitas ao 'Centrão'.

 

reforma ministerial do governo Bolsonaro, feita na noite de segunda-feira (29) em meio às saídas de Ernesto Araújo do Ministério das Relações Exteriores e de Fernando Azevedo e Silva do Ministério da Defesa, foi noticiado em jornais e sites estrangeiros.

Em geral, as notícias destacam as mudanças em seis ministérios "em plena pandemia", a pressão política por algumas trocas — como o caso do Itamaraty — e as concessões feitas ao "Centrão".

 

Os novos ministros nomeados por Bolsonaro: Luiz Eduardo Ramos (Casa Civil), Carlos Alberto Franco França (Relações Exteriores), Walter Braga Netto (Defesa), Anderson Torres (Justiça), André Mendonça (AGU) e Flávia Arruda (Secretaria de Governo) — Foto: Divulgação

Veja abaixo como as mudanças no governo repercutiram internacionalmente:

 

Bloomberg (Estados Unidos)

 

A reportagem sobre a mudança ministerial de Bolsonaro é a terceira mais lida do site da Bloomberg na manhã desta terça-feira (30). Ela diz que o presidente brasileiro "anunciou mudanças radicais no gabinete em meio à crescente pressão da pandemia que assola o Brasil".

"Bolsonaro, um direitista idiossincrático que assumiu o cargo há pouco mais de dois anos em um triunfo trumpiano, teve que aceitar membros do establishment centrista que ele uma vez desprezou enquanto tenta manter suas bases militares e ideológicas", afirma a reportagem.

O texto destaca que, "como Donald Trump, Bolsonaro prospera na surpresa e na confusão" e diz que o presidente brasileiro "teve de desistir de um dos seus aliados mais próximos, o chanceler Ernesto Araújo".

Bloomberg: imprensa internacional noticia reforma ministerial de Bolsonaro — Foto: Reprodução/Bloomberg

Bloomberg: imprensa internacional noticia reforma ministerial de Bolsonaro — Foto: Reprodução/Bloomberg

 

BBC (Reino Unido)

 

A rede britânica BBC destaca que a troca ministerial "é a maior remodelação desde que Bolsonaro chegou ao poder, há dois anos" e que as substituições foram feitas "enquanto sua popularidade despenca por causa do tratamento da pandemia".

A reportagem lembra que "o serviço de saúde do Brasil está à beira de um colapso enquanto o país luta contra uma segunda onda mortal" e chama Bolsonaro de "presidente de extrema-direita".

BBC: imprensa internacional noticia reforma ministerial de Bolsonaro — Foto: Reprodução/BBC

BBC: imprensa internacional noticia reforma ministerial de Bolsonaro — Foto: Reprodução/BBC

 

CNN (Estados Unidos)

 

A CNN diz em reportagem de seu site que a troca ministerial "parece destinada a garantir maior lealdade em meio à crise da Covid-19 no país" e destaca que o novo ministro da Justiça, delegado Anderson Torres, é amigo da família Bolsonaro.

O canal de TV americano também destaca a carta de Fernando Azevedo e Silva, em que diz ter "preservado as Forças Armadas como instituição do Estado", e o fato do ex-advogado geral da União (AGU) André Levi ter se recusado a assinar uma ação de Bolsonaro no STF para suspender medidas de restrição adotadas por três governadores.

 

Tags

sem tags

Comentários

ATENÇÃO !

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página, se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Mais de Geral