Publicado em 30/03/2021 às 11h59 | 304 visualizações | |

País cria 401 mil vagas de emprego formal em fevereiro; saldo é o melhor para o mês em 30 anos

Informações foram divulgadas pelo Ministério da Economia nesta terça-feira (30). No primeiro bimestre, foram geradas 659.780 vagas com carteira assinada.

 

Por Alexandro Martello, G1 — Brasília

O Brasil gerou 401.639 empregos com carteira assinada em fevereiro, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta terça-feira (30) pelo Ministério da Economia.

Essa é a diferença entre as contratações, que somaram 1.694.604 no mês passado, e as demissões, que totalizaram 1.292.965.

De acordo com o Ministério da Economia, esse é o melhor resultado para fevereiro desde o início da série histórica, em 1992, ou seja, em 30 em anos.

Até então, o melhor resultado para meses de fevereiro, havia sido registrada em 2011, quando foram criadas 280.779 vagas formais de emprego.

Emprego Formal

para meses de fevereiro

209.425209.425280.799280.799150.600150.600123.446123.446260.823260.823-2.415-2.415-104.582-104.58235.61235.61261.18861.188173.139173.139225.414225.414401.639401.639201020112012201320142015201620172018201920202021-200k-100k0100k200k300k400k500k

Fonte: Ministério da Economia

O resultado positivo ocorre em meio à pandemia de Covid-19 e ao aumento no número de contaminados e de mortes provocadas pela doença, que gerar reflexos negativos na economia.

 

Primeiro bimestre

 

Nos dois primeiros meses deste ano, ainda de acordo com o Ministério da Economia, foram geradas 659.780 vagas com carteira assinada. Em igual período do ano passado, foram abertos 277.517 empregos com carteira assinada.

Esse resultado do primeiro bimestre, informou o governo, engloba declarações enviadas fora do prazo legal, em meses e anos anteriores. De acordo com a série histórica atualizada pela área econômica., este é o melhor resultado para primeiro bimestre desde 2010.

 

Com o resultado de fevereiro, o Brasil tinha saldo de 40.022.748 empregos com carteira assinada ao final do mês passado. Isso representa um aumento na comparação com janeiro deste ano e, também, com fevereiro de 2020 - quando o saldo estava, em ambos os meses, em 39,6 milhões.

 

Setores da Economia

 

Saldo de empregos por setor da economia

Dados de fevereiro de 2021

173.547173.54723.05523.05568.05168.05143.46943.46993.62193.621ServiçosAgropecuáriaComércioConstruçãoIndústria050k100k150k200k

Fonte: Caged

 

Regiões do país

 

Emprego em fevereiro, por região

Número de vagas203.213203.21340.86440.864105.197105.19740.07740.07712.33712.337SudesteNordesteSulCentro-OesteNorte025k50k75k100k125k150k175k200k225k

Fonte: Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia

 

Sem trabalhadores informais

 

Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, divulgados nesta terça-feira, consideram apenas os trabalhadores com carteira assinada, ou seja, não inclui os informais.

Os números do Caged são coletados das empresas e abarcam o setor privado com carteira assinada, enquanto que os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Continua (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), são obtidos por meio de pesquisa domiciliar, e abrangem também o setor informal da economia.

Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, comemorou o resultado do emprego formal em fevereiro e voltou a defender a vacinação em massa dos brasileiros como forma de permitir um retorno seguro ao trabalho.

“Temos de vacinar em massa, para que o brasileiro informal, os 40 milhões de brasileiros invisíveis, não fiquem entre essa escolha cruel de sair e ser abatido pelo vírus, ou ficar em casa e ser abatido pela fome”, declarou.

Segundo ele, o governo já iniciou o protocolo de combate à essa segunda onda da pandemia, com o início da liberação do auxílio emergencial em abril, postergação no pagamento de tributos de pequenas e médias empresas.

Guedes informou, ainda, que o governo segue trabalhando para renovar o programa de proteção ao emprego, que possibilitou suspensão e redução de jornada com contrapartida do governo, mas que terminou em 2020. E que o Pronampe (crédito às pequenas empresas) também será retomado.

 

Tags

sem tags

Comentários

ATENÇÃO !

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página, se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Mais de Geral