16/07/2020 às 23h37 | 218 visualizações |

O MBL NUNCA FOI APARTIDÁRIO, E ENGANOU MUITA GENTE!

Política no Brasil

 

 

Quem ainda não viu o documentário “O dia que durou 21 anos” deve assistir. Sobretudo porque ele contém um belo desenho histórico de como o golpe civil-militar foi arquitetado e operacionalizado no Brasil, com destaque para o papel dos E.U.A. no golpe e seu financiamento de parlamentares e de grupos civis, formados para fazer uma dura e ferrenha oposição ao governo da época (João Goulart e sua base social), com a finalidade de desgastá-lo e desestabilizá-lo. Ao mesmo tempo, os E.U.A. instigaram os militares a darem o golpe, sob a justificativa de um “perigo vermelho” (sempre esse argumento para justificar golpes por aqui no Brasil!).

Com o fim dos “anos de chumbo”, aparentemente os acontecimentos traumáticos vivenciados neles seriam enterrados junto com as pessoas que foram perseguidas, presas e assassinadas pelos seus posicionamentos contrários à ditadura. Mas jamais esquecidos. Aliás, ainda hoje é necessário elucidar alguns casos e responsabilizar os envolvidos neles.

Pois bem, para o golpe de 2016 (a farsa do impeachment), novamente uma rede foi montada com o objetivo de desestabilizar o governo de Dilma Rousseff. Os ataques e as acusações foram diversas, tanto ao governo quanto às principais lideranças do PT – acusados de terroristas, comunistas, membros de quadrilha, corruptos, dentre outros. Esta rede era composta pelos grupos Revoltados Online, Vem para Rua e, principalmente, o MBL (há outros que não mencionamos). Há fortes suspeitas de que eles receberam financiamento de parlamentares e externo também.

Vamos recuperar, em poucas linhas, o discurso do MBL. Eles, sobretudo Kim Kataguiri e Fernando Holiday, diziam que o Movimento Brasil Livre (se livre, era porque estava preso, ora, ora...) era apartidário, que lutava contra a corrupção e, claro, contra a “quadrilha que estava no poder”. Estava, isso sim, a serviço de grupos econômico e políticos alinhados ao neoliberalismo. Enganaram muita gente... Os dois citados acima hoje são políticos!

E o discurso contra a corrupção? Foi corroído pela recente notícia de que membros do MBL foram presos por lavarem dinheiro. Ora, vejam... Lavagem de dinheiro (Ver: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2020/07/10/operacao-juno-moneta-pessoas-ligadas-ao-mbl-presas.htm?cmpid=copiaecola). Tem mais coisas por aí, e vão aparecer! Agora Holiday e Kataguiri dizem que Alessander Mônaco Ferreira e Carlos Augusto de Moraes Afonso não eram membros do movimento. Neste ponto já aprenderam com aqueles políticos que ambos criticavam.

O MBL sempre foi um movimento político querendo projetar suas lideranças ligadas à direita e ao neoliberalismo, e contribuíram, e muito, com a disseminação de Fake News e do sentimento de ódio que culminou com a eleição de Bolsonaro e o ambiente de ódio que se instalou no país.

O bom é que agora não enganam mais ninguém!

Comentários

ATENÇÃO !

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página, se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Mais de Professor Luciano Everton Costa Teles

O DESMANTELAMENTO NACIONAL EM CURSO

O Drama da gestão pública de saúde

O DESMANTELAMENTO NACIONAL EM CURSO